Totalmente gratuito onde você poderá adicionar: Empresas, Profissionais Liberais, Autônomos, Prestadores de Serviços, dentre outros.
Totalmente gratuito, onde você se cadastra com um e-mail e uma senha e faz seus anúncios.
Sistema de Leilão on Line para voce vender o que quiser, através de Leilão, ou por venda direta, você pode vender ou leiloar tudo que você tiver encalhado em sua casa ou no seu comércio.
Esta é de nossa propriedade onde vendemos produtos de procedência e com qualidade (você tem a garantia total do Portal Prudente. Você vai encontrar diversos produtos, inicialmente estamos disponibilizando livros de várias áreas, desde Enfermagem, Medicina, Culinária, Pedagógicos, Livros Infantis, Ficção, Informática, Auto-Ajuda, Literatura dentre outros. E brevemente estaremos disponibilizando mais produtos, todos com a garantia e atendimento do próprio www.PortalPrudente.com.br.
Lindas mensagens em PPS (Power Point) para você fazer o download para seu computador, ver e enviar pra quem você ama.
Temos milhares de Livros E-Books de autores famosos, onde você poderá fazer gratuitamente o download e ler tranquilamente em seu computador.
Você quer receitas culinárias? Temos também milhares, disponíveis pra você gratuitamente.
Onde você vai ouvir diversos generos musicais, principalmente músicas clássicas, Hinos da CCB, músicas Gospel, Tocatas, etc, envie o seu vídeo também.
Você gosta de Presidente Prudente? Que tal então ter um e-mail com 2 GB, com sala de bate-papo exclusivo, com uma Fantástica Agenda, e muito mais, e também com o nome de sua cidade nome@PortalPrudente.com.br, peça o seu agora.
Procurando emprego? Procurando empregados? Você cadastra seu currículo gratuitamente, as empresas cadastram suas vagas de empregos gratuitamente. É um fantástico serviço de utilidade pública.
Livraria virtual
Loja Country virtual
Loja: Produtos Aquarela
Loja: Produtos Juma
Mensagens PPS
Cidade da Criança
Conheça Prudente
Noticias da Marinha
Noticias
Telefones Úteis
Nossos Links
Apostilas
 

Portal Sorocaba
Portal Bauru
Portal Caruaru
Portal Avare
Portal Tobias Barreto
Portal Divinopolis
Portal Novo Horizonte

Portal Brasilia
Portal Campinas

Camboriu Shopping

Portal Cuiaba
Portal Marilia
Portal Porto Alegre
Portal Florianopolis
Portal Rondonopolis
Portal Venceslau
Curitiba Network

Ibitinga
Litoral Shopping
Shopping Navegantes
Praias-SC
Shopping Itajai
Tv Prudente
Cowboy Country
Livraria.Ibitinga
Portal Prudente

Livrolandia
Livraria SóLivros
Livraria Tonetto
PrudenLivros
Livraria Embaixodagua

Portal Jundiai

Loja virtual Tv Prudente
Portal America
Portal Aracaju
Portal Aracatuba
Portal Barretos
Portal Campo Grande-MS
Portal Fortaleza
Portal Franca
Portal Goiania
Portal Imoveis Rurais
Portal Jaguariuna
Portal Maceio

Portal Novo Horizonte
Portal O Laçador
Portal Ourinhos
Portal Piracicaba
Portal Quarto de Milha
Portal Ribeirão Preto
Portal Rio de Janeiro
Portal Santos

 
               

Presidente Prudente. Localizada no extremo oeste de São Paulo, a 550 Km da capital, Presidente Prudente é um importante centro regional, compreendendo uma populacao em torno de 220 mil habitantes. É considerada a sexta melhor cidade do Estado de São Paulo para se viver... Saiba Mais >>

Comandante da Marinha do Brasil
em visita ao Portal Prudente

Esteve em visita ao Portal Prudente, o Capitão-de-Corveta Comandante Francisco das Chagas Lemos Júnior juntamente com o Sargento Onésio, da Delegacia Fluvial de Presidente Epitácio, região de Presidente Prudente.

Neste ano, se comemora o Bi-Centenário do Almirante Tamandaré, patrono da Marinha.


À esquerda Capitão-de-Corveta Comandante Francisco das Chagas Lemos Júnior,
ao centro sr. José Luiz Tonetto, à direita Sargento Lemos.

Bi-Centenário do Almirante Tamandaré

ALMIRANTE TAMANDARÉ
Patrono da Marinha

O Almirante Joaquim Marques Lisboa, Marquês de Tamandaré, é o Patrono da Marinha. Toda sua vida foi dedicada a ela, em um período crítico da História do País. Desde muito jovem, participou ativamente da formação do Brasil, destacando-se por seus feitos notáveis.

Foi parte importante de uma geração de marinheiros, guerreiros e estadistas a quem devemos nossa maior herança: um grande País, rico em recursos naturais, pátria de uma nação unida por uma cultura e um idioma.

As qualidades de Tamandaré, comprovadas por suas ações bem-sucedidas, são exemplos, não somente para os bons marinheiros, mas para os brasileiros de todos os tempos; relembrá-las é um exercício de patriotismo e inspiração.

A JUVENTUDE
Guerra da Independência

Após a Independência do Brasil, proclamada em 7 de setembro de 1822, foi preciso expulsar as tropas lusitanas fiéis às Cortes de Lisboa. Cedo se percebeu a necessidade de criar uma Esquadra brasileira, com homens leais, para projetar poder e obter a adesão da Bahia, do Maranhão, do Pará e da Cisplatina (atual Uruguai). A Guerra da Independência possibilitou a integração nacional, e nela essa Esquadra desempenhou um papel relevante.

Com 15 anos de idade, Joaquim Marques Lisboa (Tamandaré) se apresentou como voluntário e iniciou sua carreira na Marinha. Participou dos combates no mar na costa da Bahia e, depois, a bordo da Fragata Niterói, sob o comando de John Taylor, da perseguição da força naval portuguesa até a costa de Portugal.

O AMADURECIMENTO
Cisplatina

Em 1825, o Brasil entrou em guerra com as Províncias Unidas do Rio da Prata, atual Argentina, que pretendia anexar a Província Cisplatina, até então parte do território brasileiro, que se revoltara. O conflito terminou em 1828 e teve como desfecho uma arbitragem externa, que deu a independência à Cisplatina, com o nome de República Oriental do Uruguai.

Ocorreram muitos combates navais nesse período e o Tenente Lisboa (Tamandaré) se destacou por sua coragem e liderança em vários deles. Assumiu o comando de um navio de guerra aos 18 anos de idade e logo se tornou um herói, tomando o navio que o levava prisioneiro com outros brasileiros.

Com 20 anos, comandando seu segundo navio, a Escuna Bela Maria, travou um duelo de artilharia com um navio argentino e acabou obtendo sua rendição. Demonstrou então seu cavalheirismo, sendo gentil com seus prisioneiros, o que mereceu o reconhecimento do inimigo.

Nessa guerra, ele amadureceu precocemente, forjando um caráter que foi o padrão de sua vida.

O PODER NAVAL NA PRESERVAÇÃO DA UNIDADE TERRITORIAL BRASILEIRA

A repressão às inúmeras revoltas, que poderiam ter afetado a integridade do território brasileiro, contou com a participação importante do Poder Naval, que foi um elemento fundamental para a manutenção da unidade territorial do Brasil, quando os laços da nacionalidade ainda eram frágeis, e também para a consecução da política imperial além das fronteiras.

Em todas as ações contra-revolucionárias então desenvolvidas, o papel da Marinha Imperial foi decisivo, fazendo chegar tropas aos pontos onde elas eram necessárias e apoiando as ações em terra.

O isolamento das áreas sublevadas por mar, única via de comunicação, através do bloqueio naval, contribuiu para limitar as ações rebeldes.

A CHEGADA DO VAPOR - 1847

Com o avançar do século XIX, a propulsão a vapor foi tomando tal impulso que acabou por impor-se aos mais conservadores chefes navais, temerosos de que a precariedade do abastecimento de carvão limitasse os movimentos das esquadras.

A Marinha Imperial, que já possuía barcas a vapor, finalmente encomendou, na Inglaterra, seu primeiro navio de guerra de grande porte, a vapor, a Fragata D. Afonso, sendo designado para seu primeiro comandante, em 1847, o Capitão-de-Mar-e-Guerra Joaquim Marques Lisboa (Tamandaré).

Durante o honroso comando teve ocasião de praticar dois feitos humanitários que teriam vasta repercussão: o salvamento de passageiros e tripulantes do Navio Ocean Monarch, incendiado próximo a Liverpool, e da Nau Vasco da Gama, desarvorada ao largo da barra do Rio de Janeiro.

O REAPARELHAMENTO DA MARINHA

Em 1852, Joaquim Marques Lisboa foi promovido a Chefe-de-Divisão, posto correspondente a Comodoro em outras Marinhas, e, em 1854, a Chefe-de-Esquadra (Contra-Almirante). Em 1857, foi-lhe concedida licença para tratamento de saúde da esposa na Europa.

Aproveitando sua estadia no exterior, o Governo o incumbira de fiscalizar a construção de duas canhoneiras na França e de oito outras na Inglaterra. Os navios de propulsão mista (vela e vapor) e hélice construídos no exterior sob fiscalização de Tamandaré foram: Araguari, Araguai, Iguatemi, Ivaí, Tiête, Itajaí, Ibicuí, Parnaíba, Belmonte e Mearim. Significaram uma atualização necessária para que a Marinha pudesse continuar atuando em defesa dos interesses do Brasil e, mais tarde, esses navios tiveram participação importante na questão com o Uruguai e, depois, na Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai.

Já Vice-Almirante, fora homenageado, em 1860, com o título de Barão de Tamandaré. Poucos anos depois, em 1864, assumiu o cargo de Comandante-em-Chefe das Forças Navais Brasileiras em Operação no Rio da Prata.

A INTERVENÇÃO NO URUGUAI

No Uruguai, o conflito entre os partidos Blanco e Colorado lançou aquela república a uma guerra civil. Brasileiros residentes naquele país foram envolvidos ou se envolveram nos conflitos, alguns foram hostilizados, sofreram graves ofensas e prejuízos materiais.

Em 1864, o Brasil resolveu intervir em favor desses brasileiros e enviou um ministro plenipotenciário, em missão diplomática, porém com o respaldo de uma força naval comandada por Tamandaré.

Não sendo possível a pacificação do Uruguai e o atendimento das satisfações exigidas pelo Brasil, a situação evoluiu para uma intervenção militar brasileira. Houve combates em Salto e Paissandu, que foram ocupadas por tropas sob o comando de Tamandaré, que agiu com energia e eficácia. Em seguida, Montevidéu se rendeu e o partido Colorado assumiu o governo do país.

A GUERRA DA TRÍPLICE ALIANÇA CONTRA O PARAGUAI (1865-1870)

A Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai (1865-1870) foi o maior conflito militar da América do Sul, somente superado em vítimas no Novo Mundo pela Guerra Civil Americana (1861-1865).

Para o Brasil foi um desafio que exigiu um enorme esforço logístico. Foi a primeira grande mobilização do País, inclusive recrutando pessoas de todas as províncias. Nessa guerra, os brasileiros das diversas regiões passaram a se conhecer melhor e se acostumaram a trabalhar juntos, o que, sem dúvida, favoreceu a consolidação da nacionalidade brasileira.

Coube a Tamandaré o comando das forças navais no início da guerra, em 1865 e 1866. Logo, ele estabeleceu o bloqueio naval e se empenhou na organização de um apoio logístico eficiente. O suprimento de combustível, mantimentos e munição e o apoio de manutenção aos navios foram fundamentais para o bom êxito das operações.

Na Batalha Naval de Riachuelo, em 11 de junho de 1865, o Chefe-de-Divisão Francisco Manoel Barroso da Silva, que ele designara para comandar as divisões no Rio Paraná, obteve uma vitória decisiva, que garantiu o bloqueio e mudou o curso da guerra.

Em seguida, Tamandaré comandou a operação militar de Passo da Pátria, invadindo o território inimigo e obtendo bom êxito em um difícil desembarque de grande envergadura.
Na tentativa de conquistar as fortificações do Rio Paraguai, que impediam o avanço aliado, comandou o apoio naval.

Solicitou exoneração do cargo por razões de saúde e políticas, sendo substituído no comando, em dezembro de 1866, pelo Almirante Joaquim José Ignácio, posteriormente Visconde de Inhaúma.

O RECONHECIMENTO DA NAÇÃO

O reconhecimento da Nação brasileira começou durante a vida de Tamandaré. Em 1865, batizaram um dos navios encouraçados construídos no Arsenal de Marinha para a Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai com seu nome. Vinte e cinco anos depois, poucos anos antes de sua morte, deram o nome de Tamandaré a um cruzador, que ainda é o maior navio de guerra construído no País. A partir de então, seu nome passou a ser utilizado tradicionalmente para navios muito importantes da Marinha do Brasil. O Cruzador Tamandaré, das décadas de 1950 a 1970, não mais em serviço, foi o último.

Na sua longa existência, Tamandaré recebeu outras provas de reconhecimento por sua contribuição para o País. Foi barão, visconde, conde e marquês, durante o Império. Foi agraciado com várias medalhas e condecorações, destacando-se o Colar da Ordem Imperial da Rosa, só recebido por Tamandaré, Caxias e pelo Imperador D. Pedro II.

Fez-se merecedor, também, de muitos elogios. Talvez o mais significativo tenha sido o do Primeiro-Almirante Lord Cochrane, que o recomendou a D. Pedro I, quando somente tinha 16 anos, com a previsão de que aquele jovem marujo, no futuro, seria o "Nelson brasileiro". Mais tarde, a Marinha fez dele seu patrono.

A CARTA TESTAMENTO DE TAMANDARÉ

"Exijo que meu corpo seja vestido somente com camisa, ceroula e coberto com um lençol, metido em um caixão forrado de baeta, tendo uma cruz na mesma fazenda, branca, e sobre ela colocada a âncora verde que me ofereceu a Escola Naval em 13 de dezembro de 1892, devendo-se colocar no lugar que faz cruz a haste e o cepo um coração imitando o de Jesus, para que assim ornado signifique a âncora-cruz, o emblema da fé, esperança e caridade, que procurei conservar sempre como timbre de meus sentimentos.

Sobre o caixão não desejo se coloque coroas, flores nem enfeites de qualquer espécie, e só a Comenda do Cruzeiro que ornava o peito do Sr. D. Pedro II em Uruguaiana, quando compareceu como primeiro dos voluntários da Pátria para libertar aquela possessão brasileira do jugo dos paraguaios que a aviltavam com a sua pressão; e como tributo de gratidão e benevolência com que sempre me honrou e da lealdade que constantemente a S.M.I. [Sua Majestade Imperial] tributei, desejo que essa comenda relíquia esteja sobre meu corpo até que baixe à sepultura, devendo ficar depois pertencente a minha filha D.M.E.M.L. (Dona Maria Eufrásia Marques Lisboa) como memória d'Ele e lembrança minha.

"Exijo que se não faça anúncio nem convites para o enterro de meus restos mortais , que desejo sejam conduzidos de casa ao carro e deste à cova por meus irmãos em Jesus o Cristo que hajam obtido o foro de cidadãos pela Lei de 13 de maio. Isto prescrevo como prova de consideração a essa classe de cidadãos em reparação à falta de atenção que com eles se teve pelo que sofreram durante o estado de escravidão; e reverente homenagem à Grande Isabel Redentora, benemérita da Pátria e da Humanidade, que se imortalizou libertando-os.

"Exijo mais, que meu corpo seja conduzido em carrocinha de última classe, enterrado em sepultura rasa até poder ser exumado, e meus ossos colocados com os de meus pais, irmãos e parentes, no jazigo da Família Marques Lisboa.

"Como homenagem à Marinha, minha dileta carreira, em que tive a fortuna de servir à minha Pátria e prestar alguns serviços à humanidade, peço que sobre a pedra que cobrir minha sepultura se escreva: Aqui jaz o Velho Marinheiro. M. de T."

Fonte:
Ministério da Defesa - Marinha do Brasil

DELEGACIA FLUVIAL DE PRESIDENTE EPITÁCIO
R. Porto Alegre, 14-71, Vila Santa Rosa, Presidente Epitácio, SP, CEP 19.470-000
Telefone: (18) 3281-3175 Fax: (18) 3281-6356

Voltar

PORTAL PRUDENTE. portal@portalprudente.com.br.
Fone:(18)
3221.5109. Presidente Prudente - SP